Atenção aos usuarios do jaleco.

Medicina pesquisa a presença de microorganismos em jalecos

A pesquisa “O potencial da vestimenta médica como possível fonte e veículo de transmissão de microorganismos”, desenvolvida pelas alunas de Medicina Fernanda Dias e Débora Jukemura, com a orientação da professora Maria Elisa Zuliani Maluf, foi concluída. O estudo revela se o uso de jaleco é ou não um importante equipamento de proteção individual (EPI) para os profissionais da saúde.
O objetivo da pesquisa foi comparar a microbiota  existente nos jalecos utilizados por  estudantes de medicina, sobretudo nas mangas (região do punho) e na própria pele dessas pessoas, com a encontrada na dos não usuários de jaleco.

As pesquisadoras correlacionaram o grau de contaminação e a patogenicidade dos microorganismos encontrados com as seguintes variáveis: dia em que foi realizada a coleta, frequência de lavagens semanais do jaleco, uso por homens e mulheres e o ano de graduação dos estudantes.

O estudo foi realizado em um hospital universitário do estado de São Paulo, onde foram avaliados 96 estudantes de medicina, distribuídos nos seis anos da graduação (após o contato com pacientes) que atuam na enfermaria de clinica médica. A metade usava jalecos (de mangas longas) e a outra não.
Os resultados da pesquisa indicam que a contaminação dos jalecos está presente em 95,83% das amostras. “Essa elevada taxa de contaminação pode estar relacionada ao contato direto com os pacientes, aliada ao fato dos microorganismos poderem permanecer entre 10 e 98 dias em tecidos encontrados em hospitais, como algodão e poliéster”, explicam as alunas Fernanda e Débora.
O estudo ainda revela que os jalecos dos estudantes de medicina estão geralmente contaminados, principalmente nas áreas de frequente contato, como mangas e bolsos, e o principal microorganismo identificado foi o Staphlococcus aureus,uma bactéria hoje considerada, como uma das principais agentes de infecção hospitalar.
A Organização Mundial de Saúde (OMS), entre outras instituições de referência em Biossegurança, recomendam a utilização de jalecos a fim de fornecer uma barreira de proteção contra acidentes e incidentes e reduzir a oportunidade de transmissão de microorganismos. Todavia, nesse estudo, a  pele da região do punho, tanto nos usuários quanto nos não usuários, estava contaminada em 97,91% e 93,75% respectivamente. “Evidencia-se assim, que a contaminação da pele dos usuários de jaleco não difere significativamente daqueles que não fazem seu uso, indicando que sua função como EPI pode ser novamente questionada”, ressalta a professora Maria Elisa.
Segundo as alunas o estudo também revela que a prática da lavagem das mãos, em ambos os grupos, não está adequada. “Essa prática deve ser estimulada antes e depois do contato com os pacientes, pois consiste numa conduta simples, de baixo custo e muito importante na prevenção de infecções hospitalares”, esclarece. “Além disso, a falta de higiene das mãos aumenta a contaminação dos jalecos, por ser frequentemente tocados pelos médicos no exercício da sua profissão”, completa. 
Os resultados mostraram ainda que o número de microorganismos patogênicos aumentou consideravelmente nas coletas realizadas entre segunda e quinta-feira. “Em resumo, a função do jaleco como equipamento de proteção individual (EPI) é questionável e esse instrumento pode representar um possível veículo de transmissão de microorganismos associado à infecção hospitalar se seu uso não for aliado a cuidados adequados”, conta a professora orientadora da pesquisa.
Acesse o blog http://books.jar.io para baixar ebooks free em diversos formatos.
Acesse http://torrents.jar.io para acessar diversos materiais disponíveis em torrents (magnetliks).
O blog http://ervas.jar.io publica sobre diversas metodologias de cultivos e propriedades das ervas.