PROBIÓTICOS

Os que são?


São alimentos suplementados com microrganismos vivos, nomeadamente Lactobacillus e/ou Bifidobacterium. Estes alimentos, quando consumidos, além dos seus efeitos nutricionais habituais devem produzir efeitos benéficos à saúde e ao bem-estar do homem por melhoria do equilíbrio da sua microbiota intestinal. Os probióticos fazem parte dos chamados Alimentos Funcionais, cujo principal alvo é a mucosa intestinal e a sua microbiota, estando incluídos neste grupo o iogurte, leites fermentados e alguns biscoitos. Objectivo:
O principal objectivo da utilização dos probióticos é aumentar o número e a actividade dos microrganismos intestinais com propriedades úteis ao hospedeiro. Para esse efeito, os probióticos devem apresentar características como:

  • Resistência ao ácido do estômago, à bílis e às enzimas pancreáticas e digestivas;
  • Aderência às células da mucosa intestinal;
  • Capacidade de colonização e velocidade específica de crescimento elevada;
  • Produção de substâncias antimicrobianas contra as bactérias patogénicas e;
  • Ausência de mutações.
                Microrganismos utilizados:                  Os probióticos mais utilizados são estirpes de bactérias produtoras de ácido láctico como Lactobacillus e Bifidobacterium, que preenchem as condições para um bom probiótico. A levedura Saccharomyces boulardii é outro probiótico utilizado com frequência.                     Recentemente, um grupo de pesquisadores iniciou estudos para a utilização de uma linhagem de Escherichia coli com características probióticas.                                                          Como actuam?                          Os mecanismos de acção dos probióticos incluem                   <ul>        <li>                      A síntese de substâncias microbianas contra as bactérias patogénicas,                   </li>                                        <li>                      A competição por nutrientes necessários para o crescimento dos microrganismos patogénicos e inibição da sua aderência à mucosa intestinal,                   </li>                                        <li>                      A modificação do pH do meio intestinal,                   </li>                                        <li>                      O aumento da secreção da mucosa,                   </li>                                        <li>                      A inactivação das toxinas e seus receptores e a estimulação da fagocitose e das respostas imunológicas específicas ou inespecíficas contra os agentes patogénicos.                   </li>      </ul>                                               Os probióticos são utilizados na prevenção e tratamento de várias situações patológicas como por exemplo:<br />                                  Intolerância à lactose e a outros dissacarídeos a administração de um probiótico como Saccharomyces boulardii melhora a sintomatologia em indivíduos com défice da enzima sacarase-isomaltase. Espécies de Bifidobacterium e Lactobacillus têm sido frequentemente utilizadas na produção de iogurtes e outros produtos do leite fermentado;                                  Diarreia associada a antibióticos – várias estirpes têm comprovado a eficácia dos probióticos na prevenção e tratamento da diarreia associada aos antibióticos. Os mais utilizados têm sido Bifidobactéria, Saccharomyces boulardii e Lactobacillus;                                                          Doença inflamatória crónica do intestino e outras situações gastroenterológicas – parece bastante promissor o uso de probióticos, especialmente de Saccharomyces boulardii e do Lactobacillus casei na doença de Crohn, na colite ulcerosa e na inflamação crónica da bolsa ileal. Existem resultados animadores com a utilização de probióticos no síndroma do intestino curto e na alergia alimentar, provavelmente pela diminuição da permeabilidade intestinal e pelas suas propriedades anti-inflamatório                                  Dislipidemias – uma das propriedades das bifidobactérias é a sua influência no metabolismo lipídico. Vários estudos clínicos apresentam como resultado de utilização dos probióticos, diminuições significativas dos níveis de colesterol total pela diminuição do colesterol LDL, enquanto os níveis de colesterol HDL aumentam ligeiramente. O efeito hipocolesterol das bifidobactérias resulta da diminuição da absorção e do transporte do colesterol alimentar para o fígado e, por outro lado, pela desconjunção dos sais biliares com menor absorção do colesterol pelo intestino. A niacina formada pelas bifidobactérias diminui o fluxo de ácidos graxos livres que, ao diminuir a biossíntese da lipoproteína VLDL, contribui para a redução dos níveis plasmáticos dos triglicéridos.<br />                                                        Iogurte ≠ Leite Fermentado:<br />                                  Por iogurte, entende-se o produto cuja fermentação se realiza com cultivos simbióticos de Lactobacillus bulgaris e Streptococcus thermofilus, aos quais podem-se acompanhar, de forma complementar, outras bactérias ácido-lácticas que, por sua actividade, contribuem para a determinação das características do produto final e leite fermentado o produto cuja fermentação se realiza com um ou vários dos seguintes microrganismos: Lactobacillus acidophilus, Lactobacillus casei, Bifidobacterium sp e/ou outras bactérias ácido-lácticas que, por sua actividade, contribuem para a determinação das características do produto final<br />                                  Cerca de 56 espécies do gênero Lactobacillus foram descritas até hoje. Essas bactérias estão distribuídas por vários nichos ecológicos, sendo encontradas por todo o trato gastrointestinal e geniturinário, constituindo uma importante parte da microbiota de homens e animais. A s<br /> ua distribuição, porém, é afectada por diversos factores ambientais como: pH, disponibilidade de oxigénio, nível de substrato especifico, presença de secreções e interacções bacterianas. Raramente são relacionados com casos de infecções gastrointestinais são microrganismos seguros e não patogénicos. Além disto, os Lactobacillus possuem propriedades potencialmente probióticas, favorecendo beneficamente o organismo humano. Por isto, L. acidophilus e L. casei têm sido amplamente utilizados pelos lacticínios para produção de leites fermentados e outros derivados lácteos.